Retalhos Bem-vindo! Retalhos Willkommen! Retalhos Bienvenido! Retalhos Bienvenue! Retalhos Benvenuti! Retalhos Welcome! Retalhos 歡迎! Retalhos Καλως ηλθατε! Retalhos Добро пожаловать! Retalhos!مرحبا Retalhos

Senhor! Fazei-me instrumento da vossa paz!

VÍDEOS: Para visualizar e ouvir os vídeos deverá dasativar a música de fundo no painel aqui do lado esquerdo

25 fevereiro 2009

Quaresma: bagagem para caminhar



Mais um Carnaval termina.
Tempo das folias, da festa e da alegria, hoje desvirtuada do seu sentido original, o do “introito” que dá origem à palavra “Entrudo” , também a cair em desuso na língua portuguesa. O Entrudo era o dia em que tudo era permitido porque no dia a seguir, com as cinzas, se entrava no santo tempo da Quaresma, tempo de silêncios, meditação e preparação próxima para a Páscoa da Ressurreição de Cristo.
Tudo era permitido neste dia de “introito” mas não podemos esquecer que este “tudo” tinha sempre presente o respeito pelo outro e não o fazer da festa e da alegria o desrespeito pelos valores humanos e pelos direitos que os outros têm.
Hoje em dia este dia de Entrudo transformou-se em dia de farras e, em tanto sítios, de autênticos “bacanais” onde ninguém se lembra mais que o dia seguinte é um tempo de graça. Este “Carnaval” que hoje é sinónimo de corsos alegóricos, sambódromos, bebedeiras é o dia do adeus à carne, como que num propósito de afastar do nosso caminho o que mais nos impede de caminhar para Deus, todas as coisas que são associadas à carne humana nos seus “apetites” excessivos.
Quaresma é o tempo de graça onde cada dia tem o seu ritmo e passo certo para poder ser caminho para o encontro com o perdão que leva a deixar a Cruz e entrar no túmulo vazio. Cada dia seu passo e ritmo ditado pelo que levamos em nós.
Não há muito tempo que encontrei esta expressão: “Não te atrases no caminho por excesso de bagagem…”
Esta é a expressão da minha reflexão para cada dia deste tempo. Como caminho eu para Cristo e que levo eu na minha bagagem?
Muitas vezes pensamos que mais uma Quaresma, mais uma confissão, mais umas lágrimas numa Via-Sacra rezada por Jesus que tanto sofreu, mais umas promessas cumpridas… resolvem todos os nossos problemas de consciência.
Imaginemo-nos a caminhar durante um ano inteiro, cheios de passos mal dados, de pouco tempo para Deus, cheios de confissões e Missas apenas por descargos de consciência, e com o pensamento na Quaresma onde pedimos perdão mais uma vez, celebramos a Ceia do Senhor e a Vigília Pascal e respiramos fundo porque já estamos santificados. Que diria Jesus Cristo acerca de nós? Chamar-nos-ia o mesmo que aos “fariseus hipócritas” do seu tempo, agarrados à Lei e preceitos sem ser com o coração?
Se olharmos a nossa bagagem desde a última Páscoa até agora que carregámos nós na nossa bagagem? Que tornou tão pesados os nossos passos? Talvez sintamos que Deus nos fez passar por algum vale de lágrimas e sofrimento contudo não fomos capazes, por mim falo, de entender esta experiência como tempo de purificação e de identificação com Cristo, tempo de entrega de algo de nós pelos outros, pelos que nem têm consciência de que cada dia é um dom do amor de Deus.
João continua a apelar à nossa consciência “completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo: arrependei-vos e acreditai no Evangelho.” (Mc 1, 15)
O arrependimento leva a que façamos de cada dia um dia novo porque novo é sempre o amor de Deus por nós. Arrepender-se é caminho de libertação da nossa bagagem para não nos atrasarmos neste encontro com este amor. Arrepender implica muito mais da nossa parte do que os aspectos acima referidos. Há muito para fazer…
A nossa atitude é muitas vezes a daqueles homens e mulheres de Jerusalém que se sentiam meio perdidos na vida ao ouvirem o discurso de Pedro. As suas inquietações eram muito fortes no íntimo da sua consciência, eram o desejo de querer mudar de vida, de querer libertar espaço e peso para descobrir um outro caminho de Aliança com Deus. A questão era apenas uma: “que devemos fazer?”
Pedro na sua simplicidade apenas respondia: “Convertei-vos e peça cada um o baptismo em nome de Jesus Cristo, para a remissão dos seus pecados; recebereis, então, o dom do Espírito Santo.” (Act 2, 38)
Baptizados certamente já todos nós estamos mas, quantos vivemos esse dom de ser “um em Cristo” e por Cristo um com Deus Pai sob a acção do Espírito? Ser baptizado é dom se a nossa vida é um permanente arrependimento e conversão interior para que o nosso exterior seja reflexo de quem se vai libertando paulatinamente do homem velho para se revestir do homem novo regenerado por Cristo no baptismo.
Ter esta consciência é olhar para a Quaresma como tempo de caminho, de graça, de arrependimento, de conversão que leva ao perdão dos pecados e à graça das origens, ou seja, à graça da regeneração baptismal.
Mesmo que Deus nos permita passar por vales escuros, por sentimentos de ausência da Sua presença, por momentos em que a luz se apaga em nós e uma lágrima teima em cair, devemos viver cada dia com o nosso olhar na Cruz de Cristo, não como um sinal de condenação judaica e romana mas como sinal de vida nova n’Aquele que por nós deu a Sua vida de uma vez para sempre. Assim podemos respirar fundo nas nossas fraquezas e na nossa debilidade humana e espiritual e assinalados com a Cruz que levámos em cada dia podemos dizer com S. Paulo: “Quanto a mim, porém, de nada me quero gloriar, a não ser na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” (Gl 6, 14)
Quaresma é este caminho que me identifica com Cristo crucificado e que me leva a gloriar nessa identificação íntima com Ele, identificação que é caminho de glória conjunto, eu, Cristo e o mundo.
Voltemos à nossa bagagem…
Iniciamos este tempo de graça talvez com uma bagagem pesada por tantas coisas que nem sempre identificamos. Creio poder dizer que as celebrações próprias deste tempo só terão o seu verdadeiro sentido se antes de mais nos libertarmos do excesso de bagagem que não tem a ver com o caminho que Deus nos pede para seguirmos.
A confissão será verdadeiramente confissão se nos colocarmos diante de Deus e da certeza do seu amor que tudo perdoa já pré dispostos a apresentar-lhe seleccionados os passos que desejamos sejam purificados para que o caminho se torne mais leve. Não caiamos no erro – a meu ver – desmesurado de pensar que podemos apresentar diante de Deus a casa desarrumada, a vida baralhada, como se Deus tivesse tempo para pôr um avental, arregaçar as mangas e ser Ele mesmo a limpar e arrumar a nossa casa. Ele tem todo o tempo, o nosso tempo – porque para Deus o tempo não existe – para nos escutar, amar e perdoar contudo, da nossa parte é exigido um tempo a sós, um tempo para nos arrumarmos, para arrumarmos e limparmos o nosso coração e a nossa mente. Com o coração e a mente em excesso de bagagem é impossível termos espaço para o encontro com Deus, jamais em nós a Cruz poderá ter lugar de glória e ser sinal de vida nova.
Que nesta Quaresma não nos atrasemos para o encontro com o amor e o perdão de Deus por querermos chegar junto d’Ele cansados pelo caminho e pela carga negativa e pesada.
Não nos atrasemos no caminho por excesso de bagagem…

20 fevereiro 2009

Domus Fraternitas/Poverello


Não podemos deixar passar sem partilhar convosco este momento que para nós, Franciscanos de Portugal, marca mais um passo no caminho de Francisco de Assis.
Após 15 anos de sonho, e já alguma obra feita, foi benzida a primeira pedra daquele que virá a ser o maior hospital para cuidados continuados e paliativos do Minho. Chamar-se-á "Poverello".
Deixo dois textos que vos podem mostrar o valor deste passo.
Mais informações poderei ver depois no site da "Domus Fraternitas"

O que é a Fundação Domus Fraternitas?

A Fundação Domus Fraternitas (FDF) - Fundação de Solidariedade Social - é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública. O registo foi lavrado provisoriamente em 25 de Outubro de 2002, e «convertido em definitivo em 16 de Abril de 2003, pelo averbamento n.01 à referida inscrição», publicado no Diário da República, 111 Série, de 20 de Maio de 2003, p. 10549.
FINS - «Acolher, tratar e acompanhar pessoas de qualquer modo (in)afectadas pelo síndroma de imunodeficiência adquirida (sida) e enfermidades dele derivadas ou com ele conexas; acolher, cuidar e tratar enfermos dependentes - necessitados de Cuidados Continuados e de Cuidados Paliativos - que não encontrem na família ou na sociedade resposta adequada; [ ... ] fomentar a solidariedade social, nas suas múltiplas implicações humanas, pessoais, familiares, médicas, sociopolíticas, ético-jurídicas e outras, numa ética de valores cristãos e franciscanos» (Diário da República).
VALÊNCIAS - Desde 31 de Outubro de 2002, a Fundação Domus Fraternitas possui a valência para toxicodependentes: - Comunidade Terapêutica de São Francisco de Assis - sedeada na Rua Monte Talegre, Lote 4, Celeirós, 4705-124 BRAGA.
PRESENTEMENTE está a instalar uma NOVA VALÊNCIA nos espaços do Convento Franciscano de Montariol, vocacionada para os CUIDADOS CONTINUADOS E PALIATIVOS, integrada na Rede Nacional de Saúde (RNCCI) com a denominação Centro de Acolhimento «O Poverello».
PORQUÊ «O POVERELLO»? - Poverello («Pobrezinho») é um diminutivo de carinho e ternura atribuído a Francisco de Assis, «O Irmão Universal», pelo seu testemunho de serviço a favor de todos os homens, em especial aos mais pobres e abandonados.

FOI BENZIDA A PRIMEIRA PEDRA DESTE ESPAÇO “POVERELLO”

Acolher a morte com dignidade
Maior Centro de Acolhimento de Cuidados Continuados no Minho «não é resposta à eutanásia», mas de sentido de vida.
O Centro de Acolhimento de Cuidados Continuados da Fundação «Domus Fraternitas», cuja primeira pedra foi lançada esta Quarta-feira, dia 18, em Braga, “não é uma resposta à eutanásia”, mas uma “resposta de acolhimento, de dar um sentido da vida, acolhendo a morte com dignidade”, explica à Agência ECCLESIA, o Frei José Pereira das Neves, Presidente da Fundação.
58 camas que vêm dar resposta a pessoas que, após internamento, precisam de acompanhamento de maior ou menor duração “e não têm condições familiares ou monetárias para os cuidados que necessitam”. O Frei José Neves foca também a necessidade dos cuidados paliativos, “uma atenção sem termo”.
O Centro de acolhimento, terá o nome de «O Poverello», palavra italiana que significa «pobrezinho» e está ligada à própria pessoa de São Francisco de Assis. A inauguração está prevista para 2011, com 24 camas para cuidados de curta duração, 24 camas para cuidados de longa duração e 10 camas para cuidados paliativos.
Esta é uma resposta sonhada há 15 anos atrás, com as atenções sociais centradas no problema dos doentes com HIV/Sida, com a Igreja a sofrer “um forte reparo porque não apresentava respostas nesta área”. O Presidente da Fundação explica que o sonho original mantém-se “mas as problemáticas são novas”. A missão original do futuro Centro de Acolhimento ganha agora “respostas mais amplas”.
Este Centro integra a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. O Frei José Neves explícita que as cerca de 5000 camas existentes no nosso país são claramente “insuficientes para as necessidades actuais”, daí que, apesar de esta ser “uma gota de água na sociedade face às necessidade portuguesas e, em especial, o Norte tem”, não deixa de ter uma “importância excepcional pela carência que existe na área dos cuidados continuados nas três dimensões: curta duração, longa duração e cuidados paliativos”.
Em 2003, a instituição Domus Fraternitas abriu uma casa para acolhimento de toxicodependentes, “sempre na dimensão de ajuda aos desfavorecidos e carenciados”. Até 2001, o Presidente da Fundação Domus Fraternitas afirma que “trabalhamos com o que já temos”, ou seja, a primeira valência, a comunidade terapêutica em Celeirós, Braga.
Este projecto está avaliado em 3,5 milhões de euros. A construção do equipamento conta com uma comparticipação estatal de 750 mil euros, no quadro de um protocolo com os ministérios da Saúde e da Segurança Social que garante a sustentabilidade da unidade.

Notícia em www.ecclesia.pt

18 fevereiro 2009

Parabéns mãe... 79 anos de Vida.

HOJE, dia 18, A MINHA MÃE CELEBRA 79 ANOS DE VIDA...

recados do orkut
Como o tempo voa. Mais um ano passou sobre a Vida da minha mãe.
Hoje com a internet e os telemóveis caiu em desuso a escrita de uma carta para felicitar aqueles que muito amamos. Encontrei esta muito simples mas com flores lindas que me lembram os olhos da minha mãe e a sua serenidade sempre tão profunda ao contemplar as coisas belas à sua volta.
É tempo de agradecer uma vez mais este dom inestimável e todo o bem que recebi desta Mulher rabalhadora e lutadora pela vida e educação dos filhos.
Mais não escrevo. Imploro da parte de Deus a bênção e a saúde para a minha mãe.
A todos vós peço a oração por ela.
Que o Deus da Vida a cumule das Suas graças.
PARABÉNS MÃE PELO DOM DA VIDA!

13 fevereiro 2009

Presença! Oração! Amizade...


A presença discreta, silenciosa, prudente
que acolhe como os braços abertos em forma de coração,
de alguém que espera e confia como Maria
que atentamente escuta
na certeza dessa outra Presença
que conduz, que sustenta, que molda e fortalece

A palavra, o espaço , o silêncio de que eu gosto muito
que é lugar de encontro vida partilhada...
em farrapos de sonhos...
Os encontros e desencontros,
sorrisos e lágrimas,
choradas em desenhos de esperança...

Caminho aberto e descoberto,
uma entrega na luta diária,
que se constroi em laços de Fidelidade
vivida, saboreada, partilhada
em Hospitalidade...

O Dom que se acolhe e agradece
dessa outra vida que se oferece
em disponibilidade na Missão.
Que é luz e sinal dessa Presença maior
que me conduz a essa fonte
na descoberta da sede,
no caminho da sanação,
que me ensina a ser no mundo,
só de Deus para o Irmão...

E do fundo do coração
brota o louvor, a gratidão!
Pelo Dom da Amizade
do testemunho de vida
da entrega em verdade.


Xana

11 fevereiro 2009

Novidades: Data, Coluna, Home...


Eis as novidades prometidas…
Quase me apetece parafrasear o Salmo: “Que alegria quando me disseram, vamos para a Casa do Senhor”, aplicando-o ao Retalhos.
Pois é, há algumas semanas que queria dar um novo formato ao Retalhos.
Iniciámos com o novo cabeçalho, que irá mudando de vez em quando e faltavam estas novidades que a nossa amiga Áurea, lá do outro lado do atlântico, no Brasil, vai buscando ou criando e partilha connosco. Sem a sua dedicação e ajuda estes Retalhos não seriam o que são. É a ela que devemos a criação do Template, imagem em códigos que sustem tudo o que aqui vemos. A ela pedi ajuda para estas novidades e ela respondeu.
OBRIGADO ÁUREA EM NOME DE TODOS NÓS!

Então as novidades:
1. Foi a imagem de cabeçalho.
2. A nova forma de apresentar a data da publicação das mensagens em forma de calendário, bem mais juvenil e atraente.
3. O alargamento da coluna central para uma maior visualização do campo de texto, basta clicar com o rato em cima do título. Não se assustem ao ver desaparecer a coluna da esquerda. É aí que entra outro recurso associado a este…
4. Depois de lida a mensagem, se quiser voltar às três colunas é simples, lá em cima na barra dos botos clicar em HOME e voltamos ao início com as três colunas.
5. Se optar por ler/ver as mensagens em espaço alargado, ao fundo tem todos os comentários/partilhas dos amigos. Pode aí também deixar a sua que será publicada após verificação de respeito para com o objectivo deste espaço.

O objectivo é o de continuarmos a ser diferentes e ter aqui um espaço cada vez mais prático e cativante. Será que valeu o esforço ou parece-vos que está pior desta forma?
Desejo a todos resto de boa semana com a bênção de Deus.

08 fevereiro 2009

Jesus cura, liberta, dá Vida...

Amigos, paz e bem!
Recebi via e-mail esta partilha do nosso Frei Mário Silva, como sabeis, autor da maior parte das músicas que aqui escutamos e rezamos.
Rezei este texto, à luz do Evangelho deste dia - Mc 1, 29-39 - e aqui o partilho também convosco.
Obrigado ao Frei Mário Silva por nos fazer entrar em casa de Simão para encontrar Cristo que nos quer tocar, curar e, servindo-nos, chamar-nos ao serviço dos irmãos.

"Bom domingo.
Um pouco de boa nova, se o computador fizer o favor...
No dia em que recordamos a visita que o Senhor Jesus fez à sogra de Pedro, recordamos também que o Senhor nos visita e liberta de toda a febre.
Tudo o que prejudica a nossa vida, tudo o que nos retira forças, tudo o que mexe com o nosso estado moral e espiritual, o Senhor acolhe, toca, converte, transforma, consagra.
E nós ficamos cheios de Vida.
A nossa vida enche-se de Vida. Porque a vida é transformada em Vida.
Isto acontece connosco e nós vivemos.
E agradecemos.
Isto acontece com outros porque nós somos mediação do Senhor e por nós Ele se torna presente, anuncia a Vida, oferce a Vida, deixa as pessoas com Vida.
Não é preciso muita coisa.
Interssa mais a qualidade da presença, da atenção, da oferta, da acção. Tudo isto acontece se estamos no Senhor, se andamos com Ele.
Todas as nossas coisas ganham sentido e são vividas em paz. Em tudo nos empenhamos, buscando as soluções possíveis. Que encontramos, porque é o próprio Senhor que está connosco. E se temos forças, como as que recuperou a sogra de Pedro, é para servir, para oferecer aos outros.
Se não temos forças físicas, teremos sempre forças espirituais. Estas são gratuitas e oferecidas a toda a hora pelo Senhor.
Para nós as vivermos intensamente e para as oferecermos sem reserva a toda a hora e em todas as situações.
É uma alegria grande viver no Senhor, do Senhor, com o Senhor, para o Senhor e para os outros em nome do Senhor.
Toda a bênção de Deus.
Fr. Mário Silva O.F.M.

07 fevereiro 2009

Retalhos: Olhar a partir de dentro...

Paz e bem!
Eis uma das novidades que há algumas semanas tenho estado a trabalhar: o novo cabeçalho do Retalhos 2.
De certa forma este espaço acaba por reflectir muito do que sou e do que penso. A partilha com os amigos tem crescido cada vez mais.
Do texto e imagem simples, ao vídeo com um rosto e uma voz, com um pouco mais da minha identidade.
Conhecer quem está por detrás deste blog é meio caminho andado para entender o que por aqui se publica e o que se pretende com o Retalhos.
Há algumas semanas dei comigo a pensar que, todos vós que por aqui passais, acabeis por reflectir, rezar, cantar, olhar o mundo um pouco ao jeito da forma como o faço passar, isto é, olhar o mundo a partir de mim mesmo.
E é assim que nasce este cabeçalho que será o oficial deste Retalhos 2.
Olhar a realidade vivida e celebrada a partir de dentro, do que eu mesmo sou e vivo, do que para mim é importante e que partilho com aqueles que fazem parte de mim.
Então, a partir de hoje, convido-vos a entrar no “meu” espaço e comigo olhar de dentro dele para o exterior que mudará de quando em vez, de acordo com o que pretendo partilhar como olhar pessoal.
Este cabeçalho foi composto a partir de cerca de quinze fotos. A maior parte destas coisas fazem parte do meu quarto e do meu gabinete de trabalho.
Perder mais de dez horas a fazer este cabeçalho foi caminho de vida porque estáveis todos sempre presentes.
Duas frases estavam sempre presentes em mim: “foi o tempo que perdeste com a tua rosa que a tornou tão importante para ti…
O tempo dedicado a criar esta imagem não foi perda mas ganho porque fez crescer mais ainda a paixão pelo Retalhos e a amizade daqueles que Deus me concedeu em amizade.
Por isso aqui partilho objectos que são os do meu dia-a-dia: Quadros, sofá, estante de livros, cama, viola, roupa, tapete, foto dos pais e rosas da minha Ordenação, vitrine com muitos objectos que me ligam a tantos AMIGOS e… obviamente uma rosa branca que simboliza todos os AMIGOS que têm feito este espaço e esta família. Sim, estes objectos são mesmo meus embora a disposição não seja esta.
Claro está que o meu quarto não tem esta janela panorâmica sobre o mar (um pobre frade não merece tanto).
A par do Blog, este cabeçalho e o tempo a ele dedicado, são essa rosa branca, de que nos fala o principezinho.
A outra frase, ela também do principezinho, é: “o essencial é invisível aos olhos, só se vê bem com o coração…”
Cada um de vós que entra agora no Retalhos é como se olhasse o mundo a partir de dentro, do meu mundo pessoal. De certa forma estou a tornar os meus amigos do Retalhos mais íntimos.
É por isso que eu mesmo me uno aos meus objectos a olhar para o exterior.
Do interior do que sou para o exterior do que contemplo, vivo e rezo ou simplesmente que quero convosco partilhar.
Hoje inicio com um por de sol sobre o mar, foto tirada por mim mesmo, e que tantas vezes contemplo. Sabem os meus Amigos a paixão que tenho pelo mar e pelo por de sol.
Para lá desta janela, paulatinamente, outras imagens se seguirão como forma de ir mudando a imagem do cabeçalho sem sair do que sou e convosco partilho.
Para lá desta janela, comigo, vereis o que o estado de espírito de cada um vos permitir. Vereis o essencial tal como vo-lo revelar o vosso coração, mais que os olhar físico, racional ou mesmo espiritual. O olhar a partir de dentro, a partir do coração, será diferente em cada um de vós e isso será uma alegria para mim, sentir que cada vez que olhardes esse olhar será diferente.
Só eu poderei entender o quanto esta imagem significa para mim… mas posso dizer-vos que aqui está a minha gratidão a quantos têm sido sinal de amizade na minha vida.
Se algum destes objectos aqui presentes te passou pela mão, porque foste quem ofereceu, quem o fez, ou faz parte de ti… louva a Deus pela Amizade aqui presente.
Termino com a frase que Cristo usa, parafraseando Bem-Sirá: “Quem encontrou um Amigo encontrou um tesouro…”
Que Deus a todos vos abençoe!

04 fevereiro 2009

CONSAGRADOS (as)

OS CONSAGRADOS (AS)

Mas quem são os consagrados ?...
São homens e mulheres iguais a tantos outros
Mas que se distinguem entre eles
Porque entregaram as suas vidas
Nas mãos de Deus.
Já não se pertencem,
Foram consagrados por Deus
Para o serviço aos irmãos.
Vivem no mundo, mas não são do mundo,
Vivem no mundo, para darem testemunho
Do Amor de Deus pela humanidade.
Qual grão de trigo que morre na terra
Assim são suas vidas,
Escondidas aos olhos do mundo
Dão o fruto do amor
Que na mesas dos pobres vai saciar sua fome.
Qual bago de uva esmagado no lagar da vida
Assim são suas vidas
Esquecidas aos olhos do mundo
Dão o fruto do amor
Que na mesas dos pobres
É o vinho novo da alegria e da esperança.
Os consagrados,
São homens e mulheres de lâmpadas acesas,
Que dia e noite, no trabalho e na oração
Elevam o mundo até Deus
E trazem Deus até ao mundo…
São homens e mulheres
Que trocaram os seus sonhos,
Os seus projectos pessoais
Pela comunidade, pela fraternidade
E vivem com alegria
O primado de Deus nas suas vidas.


Xana

02 fevereiro 2009

Vida Consagrada: Leigos em Aliança

Neste dia em que Celebramos a Aprensentação de Jesus no Templo, DIA DA VIDA CONSAGRADA, partilho convosco o testemunho da nossa amiga Kalita.
A sua forma de estar no mundo e na Igreja, em matrimónio sacramental não impede uma Consagração a Deus.
Assim, remeto-vos para outros textos sobre este dia no Retalhos 1 e partilho hoje esta experiência e compromisso de vida que a Kalita e o marido vão assumir neste dia diante de Deus e da Comunidade.
Kalita, a minha/nossa comunhão e oração na gratidão pela vossa entrega, pelo vosso SIM...
A todos peço oração por este casal e por todos os Consagrados do tempo hodierno.
Como Maria dizemos "ECCE FIAT MAGNIFICAT!"

(segue partilha da Kalita. Por respeito mantenho o portugues do Brasil)
Hoje a Igreja celebra o DIA DO CONSAGRADO
E atendendo o convite de nosso amigo Frei Albertino, partilharemos aqui nossa experiência:
Há 02 anos fazemos o discernimento vocacional em uma comunidade, reconhecida pelo Papa João Paulo II como “Novas Comunidades”, e que definiu como a “Primavera da Igreja”. Essa comunidade tem 11 anos de fundação, tem como membros pessoas em estado de vida (que “deixam o mundo” e vão viver em comunidade) vivenciando os votos de castidade, pobreza, obediência e vida fraterna, dedicando-se a uma vida de oração e serviço. E tem os membros em estado de aliança, que comungam do mesmo carisma, mas não podendo viver em comunidade (os casais como nós, por exemplo), estão inseridos no “mundo”, mas seguem os mesmos votos e testemunham nos ambientes onde vivem a graça de serem consagrados ao Senhor.
Uma vida Consagrada partiu de um chamado que Deus nos fez. Éramos um típico casal mundano, e estávamos prestes a engrossar as estatísticas de divórcio. Uma vida vazia, sem sentido. Eu era muito intolerante, meu esposo gostava de beber e chegar tarde em casa, e brigávamos muito, e apesar de nos amarmos, os problemas minavam nosso casamento, não havia mais alegria, não tínhamos filhos devido os problemas para engravidar, nosso casamento era infértil em todos os sentidos. Um dia cansada de tudo isso, olhei meu marido dormindo, depois que brigamos por causa da bebida, e sentindo um vazio na alma, chorei e pedi a Deus para nos salvar, eu queria uma família que O louvasse, que O servisse, repetia : “ Eu e minha casa serviremos ao Senhor”, eu não queria me separar, eu queria a cura de nossos males, sermos uma família feliz. Nessa época tínhamos ido algumas vezes na paróquia onde atua a comunidade, e soubemos de um seminário que iria acontecer em breve, chamei meu esposo pra irmos e logo no primeiro dia ele participou meio “alto” pela bebida .Fomos conhecendo através de cada ensinamento no seminário o quanto a Igreja Católica é rica, o quanto estávamos longe de merecer dizer-nos ser católicos, o quanto precisávamos conhecer da doutrina e mudar nossas atitudes .Algo foi mudando em nosso ser, um encontro com o amor de Deus a cada dia, um encantamento com a forma de viver daqueles consagrados, com a forma como rezavam, como serviam através dos vários projetos assistenciais, um inquietamento dentro de nós mas uma alegria que não tinha tamanho. Aos poucos fomos conhecendo, aprendendo, mudando, valorizando os sacramentos através da confissão regular, comungando com mais assiduidade, buscando a Palavra de Deus. Meu marido parou de beber 03 meses depois. Eu fui entendendo onde precisava mudar e buscava forças em Deus pra conseguir. Nosso casamento reflorescia.
Poucos meses depois ficamos sabendo do “caminho vocacional” que a comunidade religiosa abria anualmente para suscitar novos vocacionados. Buscamos informações e descobrimos que poderíamos fazer esse discernimento em “estado de aliança”, por sermos já casados, como expliquei no começo. Inscrevemo-nos e durante dois anos participamos de formações espirituais, estudo da Doutrina, aprofundamento no carisma da comunidade e a servir nas obras assistenciais. Hoje somos outros. A misericórdia de Deus para conosco foi tão grande, e o desejo de Servi-lo cada dia mais foi cravado em nosso coração. Temos nossos empregos, nossas casas, mas todo o tempo livre servimos aos irmãos necessitados, durante a semana depois que saímos do trabalho, fazemos visitas de oração, participamos de formações, servimos em algumas das obras, e aos fins de semana servimos nos grupo de oração, e vamos á sede da comunidade vivenciar um pouco da vida comunitária e servir onde há necessidade, que são muitas, e sentimos na pele a Palavra : “A messe é grande e os operários são poucos”.
Viver assim no século 21 é andar na contra mão do mundo. Por isso se chama conversão.
Em nossos trabalhos, para alguns das nossas famílias, amigos, e as pessoas em geral, essa forma de seguir Jesus mais de perto através conselhos evangélicos, é motivo de curiosidade, criticas, espanto, incompreensão e loucura. Dizem serem coisas para padres e freiras e não para um casal jovem que tem uma vida de “atrativos pela frente”. Não entendem quando recusamos certas músicas roupas, piadas, atitudes, conversas, ambientes que não nos cabem mais, não entendem que “O que era velho passou, eis que o novo se fez”.
Nem tudo são flores, tem as incompreensões, as luta contra o pecado, o cansaço, mas a alegria de se encontrar, de achar seu lugar no mundo, de saber que Deus nos quer exatamente ali, vivendo uma vida de doação, de serviço, dizendo sim a cada dia ao projeto que Deus sonhou para nós.
Ainda temos a infertilidade, lutamos contra ela, mas aprendemos dar graças a Deus por isso. Enquanto não temos filhos, cuidamos dos vários filhos de Deus que necessitam de ajuda. Não podemos perder a graça que passa, “Em tudo daí graças”. A infertilidade me faz depender mais de Deus e cultivar a minha fé e assim como Sara, como Ana, como Isabel, esperar no Senhor.
Hoje dia do consagrado, para nós particularmente essa data tem dupla importância. Hoje a noite faremos o compromisso viver a castidade, pobreza, obediência e vida fraterna em uma Missa Consagratória logo mais à noite, juntos com os demais membros de vida e aliança, com a presença do Arcebispo de nossa cidade. Ingressaremos no noviciado, e como noviços viveremos um tempo de aprofundamento e oração mais intensa, para posteriormente nos consagrarmos a Deus.
Rezem e Celebrem conosco por todos os consagrados, uma vida de doação ao reino de Deus e que novas vocações sejam suscitadas.
Pedimos também neste dia pelo Frei Albertino, consagrado a Deus, trabalhador de sua messe. Que Deus o fortaleça e cubra de graças.

“E nós conhecemos e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor e quem permanece no amor permanece em Deus e Deus n'Ele" (1Jo. 4,16).

Kalita

01 fevereiro 2009

Senhor Jesus...

Amigos, procurando melhorar o nosso novo Retalhos fiz asneira. Apaguei o comando que permitia ver a data da publicação das mensagens e agora, estou farto de tentar, não o consigo repor.
Tentarei solucionar o problema o quanto antes. Peço desculpa a todos por isso mas...
Já aprendi, sozinho com a minha teimosia, a inserir imagens em textos que rolam e outros, como vedes hoje aqui. Também ao fundo da coluna da direita se apresentam os temas do blog. Pequenas vitórias...
Espero em breve presentear-vos com um cabeçalho diferente e que já tem algumas horas de trabalho. Aguardemos...
Hoje, véspera do DIA DO CONSAGRADO, deixo-vos com esta belíssima oração. Bom domingo!
Senhor Jesus

Senhor Jesus, Pão da nossa fome:
Eu te dou graças
Porque quiseste ficar connosco
Em todo o tempo e lugar.

Senhor Jesus, Pão da nossa fome:
Eu te apresento os meus irmãos
Que têm fome e sede de justiça,
De amor e de verdade.

Senhor Jesus, Pão da vida eterna:
Eu Te dou graças porque quiseste ser
A força do nosso caminhar.

Senhor Jesus, Pão da vida eterna:
Eu Te apresento os meus irmãos
Que vivem destroçados pelo vício
E amargurados pela solidão.

Senhor Jesus, Pão partido
E repartido por todos os homens:
Eu Te dou graças porque és
A fonte da nova humanidade
Feita com todos os teus filhos.

Senhor Jesus, Pão partido
E repartido por todos os homens:
Eu te apresento os meus irmãos
Que fazem da sua vida
Um serviço de amor.

Senhor Jesus, Pão do mundo novo:
Eu Te dou graças porque és a certeza
Dos novos céus e da nova terra.

Senhor Jesus, Pão do mundo novo:
Eu Te apresento os meus irmãos
Que buscam e tentam construir
Uma sociedade reconciliada e fraterna.

(Autor desconhecido)

AVISO LEGAL – Procurarei fazer, neste blog, uma utilização cautelosa de textos, imagens, sons e outros dados, respeitando os direitos autoriais dos mesmos. Sempre que a legislação exigir, ou reclamados os referidos direitos de autor, procurarei prontamente respeitá-los, corrigindo informação ou retirando os mesmos do blog

 
© 2009 | RETALHOS 2 | Por Templates para Você