Retalhos Bem-vindo! Retalhos Willkommen! Retalhos Bienvenido! Retalhos Bienvenue! Retalhos Benvenuti! Retalhos Welcome! Retalhos 歡迎! Retalhos Καλως ηλθατε! Retalhos Добро пожаловать! Retalhos!مرحبا Retalhos

PORTUGAL: BEM VINDO SANTO PADRE!

VÍDEOS: Para visualizar e ouvir os vídeos deverá dasativar a música de fundo no painel aqui do lado esquerdo

15 março 2010

O Pai misericordioso (Lc 15)

Olá amigos, paz e bem.
Nos últimos dois dias pensei muito sobre o que escrever sobre o Evangelho do Domingo passado.
Confesso que não tive grande capacidade para parar e escrever o que na mente e coração tenho sobre as reflexões que vou fazendo sobre este texto magnífico que Lucas nos apresenta.
Então partilho este pequeno texto de outro autor e que me parece ser uma boa reflexão que nos coloca diante do mistério do Pai amoroso.

O Pai Misericordioso (Lc 15)
Texto de Padre Leo in, http://www.padreleo.org

A Parábola dos dois filhos e do Pai Misericordioso, que se encontra em Lc 15, contém uma mensagem muito consoladora, que te ajudará a VIVER. É o que aconteceu comigo, e peço ao Senhor que aconteça o mesmo (e mais e mais) contigo, isto é que te conceda oceanos de Alegria e Paz.Regressar à casa é entrar ao centro do meu ser, o centro onde posso ouvir a voz que me diz: “tu és o meu filho muito amado”. É a voz que fala a todos os filhos de Deus. É a voz do Amor que não cessa de amar. É a voz que fala desde a eternidade e que dá vida e amor onde quer que seja escutada. Quando a oiço, sei que estou em casa com Deus e que não preciso de ter medo de nada, “mesmo que atravesse os vales sombrios, nenhum mal temerei” (Sl 23).
Não foi fácil para mim reconhecer-me no filho mais novo. Foi duro descobrir na minha vida uma rebelião tão contundente. Não me reconhecia como rejeitando os valores da minha própria herança. Mas quanto mais me detenho a pensar nos subtis caminhos por onde andou a minha vida, melhor vejo que preferi a terra distante ao lar paterno, e então o filho mais novo surge rapidamente. Refiro-me a um abandono do lar espiritual, que é diferente do facto físico de ter passado a maior parte da vida fora da minha pátria.
O filho mais velho: sem alegria em casa. Na queixa do filho mais velho da parábola, descubro o filho mais velho que há dentro de mim. Dou comigo a queixar-me, frequentemente, por causa de pequenas rejeições, faltas de consideração ou descuidos. Observo dentro de mim, frequentemente, um rumor surdo, um gemido, uma queixa, um lamento, que cresce, cresce, mesmo sem querer. Quanto mais me refúgio nele, mais complicado se torna. Há uma enorme força oculta nesta queixa interior. A condenação dos outros, a condenação de mim mesmo, o farisaísmo e a rejeição vão crescendo cada vez mais e tendo mais força. Sempre que me deixo seduzir por ela, enreda-me numa interminável espiral de rejeição. Quanto mais penetro no labirinto das minhas queixas, mais e mais me perco, até que, por fim, me sinto a pessoa mais incompreendida, mais rejeitada e mais desprezada do mundo.
O Pai deseja que os filhos sejam livres para amar. Esta liberdade inclui também a possibilidade de se afastar, de irem embora para um pais longínquo e perder tudo. Deseja que os filhos que ficarem em casa gozem da sua presença e da sua afeição. Quer oferecer um amor que seja recebido livremente.
Não há dúvida quanto ao modo de ser do coração do pai. Ele vai ao encontro dos dois filhos, gosta de um e do outro, espera vê-los juntos como irmãos ao redor da mesma mesa. Embora sejam diferentes, quer que sintam que pertencem à mesma casa e que são filhos do mesmo Pai. Se deixar que tudo isto se grave no meu íntimo, verei que a parábola do pai e dos dois filhos perdidos, apenas confirma que não fui eu que escolhi Deus, mas foi Ele que me escolheu a mim. Deus ama-nos com um amor ilimitado e incondicional e quer que nós sejamos tão carinhosos para com Ele.

5 comentários:

Mª Teresa disse...

Boa noite Família Retalhos,
Esteve comprometida minha simples colaboração. Falhava-me muita sentir a abordagem mais correcta... Finalmente cumpre-me realizar a sua JUSTA aplicação...O Bom Pai Misericordioso aconselha a atribuir-se a actuação descrita nesta parábola, isto é: Demonstrar bem sua Alegria quando se reconhece que o "Filho Novo" está arrependido de todo o mau caminho que já percorreu... e, manifestar perante o filho "mais velho" sua alegria, mas aqui MUITO MUITO MAIS parcimoniosa e repartida no tempo
Bom, atentemos: avaliar assim entre nós (mortais)é algo bem SUBTIL, bem doloroso por vezes quando alguém se coloca no papel de filho... MAIS VELHO.
Acredito POIS ter esta parábola MUITA aplicação (mas ser ela assaz díficil de se cumprir)!!!!!! Assim seja, (tentemos)

maresia disse...

Na luta constante do nosso quotidiano, conseguimos sobreviver porque existe uma grande certeza dentro de nós...o Amor Misericordioso de Deus Pai, com os braços sempre abertos para nos receber e no Seu coração o perdão das nossas culpas.
Amiga Kalita, conte com a nossa oração, por todo esse esforço em deixar o mundo hoje, melhor do que o encontramos ontem.
Seja por Caridade

mariana disse...

Este Evangelho fala-nos do filho Pródigo e do Pai Misericordioso.
Podemos abandonar a nossa dignidade de filhos, mas Deus não abandona a sua missão de Pai.

Quantos filhos pródigos continuam ainda pródigos, longe da casa do Pai...
Porque não há quem vá ao seu encontro, ajudando-os a descobrirem os valores da vida e da fé.
Todos nós temos um pouco do pecado do mais velho e da intransigência do mais novo.
Somos convidados a imitar o gesto do Pai;
Que respeita a liberdade e as decisões dos seus filhos.
Que continua a amar e a esperar o regresso dos filhos rebeldes.
Que está sempre preparado para abraçar os filhos que regressam.
Que os acolhe com amor e os reintegra na família, e que festeja com alegria a sua volta.

Mãe Lena disse...

Deus só quer que sejamos felizes!

E cada vez que paramos para olhar à nossa volta, há sempre qualquer coisa que não está bem. Tornamo-nos exigentes com tudo o que nos rodeia, com as opções que tomámos ao longo da Vida, quase nos esquecemos de sentir e ver tudo de Bom que tivémos e temos.

Quantas vezes criticamos as injustiças que vemos. Serão injustiças? Quantas vezes me senti um "irmão mais velho"...

Amo o Pai por tropeçar no meu caminho e conseguir crescer, estar mais calma com o mundo que me rodeia.

Amo o Pai por estar a caminhar devagar, mas atenta a tudo, como se o chão fosse desaparecer dos meus pés a qualquer momento.

Amo o Pai por ter uma vontade imensa de fugir e sentir que Ele está SEMPRE ao meu lado.

Louvado sejas, meu Deus!

lena disse...

Amigo Frei! Estava admirada por não ter escrito nada sobre o Pai da Misericórdia! PARABÉNS!..Que maravilha e DOM esta parábola do Pai da misericórdia, do Deus da Ternura e Bondade que não só perdoa, mas que faz Festa e Se alegra em perdoar…
Arrependidos dos nossos pecados, voltemos ao Pai, que nos acolhe em Sua Misericórdia… Deixemo-LO fazer FESTA connosco. Sejamos filhos pródigos arrependidos. Deus, perante o pecador arrependido, não sabe fazer outra coisa do que uma Festa de Perdão. Aproximemo-nos desta Misericórdia através do Sacramento da Reconciliação Aprendamos com o PAI a ter Misericórdia com os Outros. Não sejamos como o filho mais velho que tem o coração fechado ao Amor do irmão, ao Amor Misericordioso…

AVISO LEGAL – Procurarei fazer, neste blog, uma utilização cautelosa de textos, imagens, sons e outros dados, respeitando os direitos autoriais dos mesmos. Sempre que a legislação exigir, ou reclamados os referidos direitos de autor, procurarei prontamente respeitá-los, corrigindo informação ou retirando os mesmos do blog

 
© 2009 | RETALHOS 2 | Por Templates para Você